Posada.

A melhor parte de ir em eventos de quadrinhos como a Comic Con Experience ou o FIQ, é a interação que acabo tendo com muita gente diferente e ter a possibilidade de trocar experiências com essas pessoas incríveis.
Em 2015, eu estava lançando “Desengano” na CCXP e logo nas primeiras páginas, tem uma citação:
“O que eu sou, eu sou em par.”

Um cara chegou na minha mesa, folheou o gibi todo, quando viu essa citação, disse: “Ah! Eu vou querer esse gibi cara, você tá citando o Posada nessa HQ, deve ser boa pra caralho!”
Fiquei feliz e surpreso.
-Pô, você conhece Posada?
-Porra! Pra caramba, eu sou do Rio e ele tem uma banda foda lá. Chama Posada e o Clã, conhece?

Não conhecia. E ele me falou bem demais dessa banda. O que eu sabia do Carlos Posada até então, era da parceria dele na faixa “Castanho” do disco Carbono do Lenine.

Eu terminei Desengano quase na mesma época que estava saindo esse disco e quando fui ao show de lançamento no SESC Pinheiros, era no refrão de Castanho que ele dizia:
“O que eu sou, eu sou em par”.

Essa frase casava com tudo que tinha em Desengano, era a frase que abriria a história, com certeza, então eu peguei o arquivo antes de mandar pra gráfica e adicionei essa frase.
Para mim, sintetiza a HQ, sintetiza muito o que eu sou.

Quando voltei pra casa depois do evento, resolvi tomar vergonha na cara e procurar mais sobre o tal Carlos Posada. Eu achava que era um velho, não sei por que, talvez pela maturidade na letra, pela poesia tão forte naquela canção.

E eis que encontro esses dois vídeos que me explodiram a cabeça:

As músicas eram ótimas e o Posada não era velho.
Eu adorei.
Não gosto de muita coisa que se toca hoje, muitas das novas bandas e compositores, para mim, estão só tentando imitar seus ídolos e falta muita identidade.
E o Posada quebrou tudo isso! Puta som sincero.

E então começamos a trocar ideias. E além de ser um puta poeta, ele é um cara gente fina demais.
Conversamos muito. Na época ele tava gravando um disco novo e me pediu uns desenhos. Enquanto ele me mandava as músicas, eu mandava desenhos e foi nascendo uma energia muito boa na medida que a coisa evoluía.

Acabou não rolando a ilustração para o disco, mas o processo foi bom mesmo assim.
Fiquei satisfeito com a arte que produzi e o disco dele ficou muito bom.
Então, se ainda não conhece Carlos Posada, taí uma boa oportunidade para ouvir um som foda!

Esse é o disco, Isabel:

Que já vem.

milo e la_2015_low

Acabou o ano. Estou acabado de canseira ainda desse ano que não cabe em palavras. Não cabe em mim. Acabe de uma vez. Foi foda.
Ando sumido daqui.
Agradeço a todos que fizeram parte do meu ano e colaboraram para que nos acabássemos de tantos bons momentos.
Foi o ano de Desengano.
Foi o ano que me guardei até o Carnaval chegar. E chegou com tudo. Com prefácio fodão. Com uma baita revisão. Com ótimas resenhas.
E agora quem me vê sempre parado, distante, garante que eu não sei sambar…
Não sei mesmo.

E a tendinite veio assim como a quarta feira, quando sempre desce o pano e deixa aquele vazio tão desumano. Cheio de desengano.
Vai passar.

Feliz Natal e um “próximo” Ano Novo (Não canso de repetir essa frase de algum caipira sãomanuelense).
Esse “próximo” ao invés de “próspero” de tão simplório chega a ser muito mais singelo e sincero. Ele aproxima. Te traz para mais perto. E o ano próximo que já vem, que já vem, que já vem, seja um ano que nos aproxime de quem nos faz bem.

Simbora pra CCXP e pro FIQ?

ccxpfiqpromo

Um pessoal veio me perguntar se eu iria em algum evento esse ano lançar minha nova HQ.
Dois dos maiores eventos de Quadrinhos do País acontecerão no final desse ano de 2015.
E eu vou nos DOIS!! Claro que vou!!

Levando o novo trabalho Desengano para você!
Além de alguns prints com as ilustrações mais lindonas que eu puder fazer!!

Então se liga no FIQ de 11 a 15 de novembro em Belo Horizonte e na Comic Con Experience de 3 a 6 de dezembro em São Paulo!!
Simbora, hein??

Nos vemos lá!!

O que realmente é e será “Desengano”.

teaser_vô

Dias atrás parei e reli todo o roteiro da minha nova história.
Dei aquela verificada final pra ver se eu ainda era aquele mesmo Camilo que escreveu o texto naquele final de 2013 e comecinho de 2014.

Ao começar a ler, voltei no tempo, me teletransportei para aquele dia de verão onde me agarrei ao notebook, coloquei o primeiro disco do Chico Buarque(baixado ilegalmente), sentei nessas cadeiras com tiras de plástico verde que não faço ideia de como chama, joguei um dos chinelos no chão, cruzei os pés, dei uma respirada, um carinho no Tufinho e comecei a escrever. E assim, numa tacada só saiu “Desengano”.
Devo ter demorado umas 4 horas para escrever.

Agora volto para 2015. Eu não gosto de escrever com música nem nenhum barulho, nesse caso foi uma exceção. Ao ler o roteiro de Desengano novamente, eu vejo que minha história não tem NADA a ver com Chico Buarque. Me assusto. Eu achava que tinha alguma coisa a ver. Eu dizia para amigos que a trilha sonora da minha próxima história seria Chico Buarque. E agora vejo que não tem nada do Chico na minha história. Era a minha trilha sonora daqueles dias calorentos, mas não é a trilha sonora da minha História em Quadrinhos.

Meio envergonhado decido fazer um texto para explicar o quê realmente será Desengano.
E então volto mais ainda no tempo. Volto pro FIQ de 2013. Teve uma rodada de negócios e lembro-me de ter conversado com vários editores.
Um especificamente me disse que enquanto eu não tivesse nada sólido para mostrar, ninguém ia querer me publicar por causa de uma boa ideia que eu tivesse.
Foi uma das lições que mais me marcaram e por conta disso que tive o tesão de, no final daquele verão, eu teria que ter uma história boa para contar.
Assim nasceu o roteiro de “Desengano”.

No meio disso, houveram diversas atividades paralelas e projetos nasceram, morreram, se engavetaram, mas “Desengano” ainda morando naquele lugar especial esperando para nascer.
E tá quase nascendo.

Descobri também em momentos de escavação ao meu subconsciente que eu disse que tinha Chico Buarque como trilha sonora apenas para eu tentar conhecer pessoalmente ele. É muita safadeza da minha parte e resolvi desencanar disso. Um dia ele me paga um almoço e tá tranquilo.

O que é “Desengano”?
Desengano é a melhor coisa que já escrevi, posso parecer babaca com essa frase, mas é pecado eu dizer que foi a história que mais gostei de escrever até agora? Não, né… Espero que não.

É uma história de acasos, ocasos e descasos.
É uma luta conta o tempo escasso.
É um carinho, é um abraçaço.

E eu sou o Camilo atualizado daquela época, com certeza, naquele momento de evolução onde só quero dizer “pra todo mundo que me gosta, que hoje eu me gosto muito mais, porque me entendo muito mais também…”

Então Gonzaguinha, Chico, Caetano, Gil, Gonzagão e John Lennon, deem licença que gentilmente vos peço passagem.

Pois sempre peço licença, mas nunca deixo de entrar.

Mad.

mncrft5

Eita, saiu mais um trampo de quadrinhos que fiz pra MAD.
Gosto demais de fazer esses trabalhos… O roteirista (Tadeu) é muito gente boa e engraçado. Curto muito as loucuras que ele pensa.
E o Raphael Fernandes(Editor) é mais louco ainda!!
Eu não sou muito acostumado em desenhar histórias dos outros, mas tem funcionado muito bem com o Tadeu.

Nesse trampo fizemos uma zoeira com “Minecraft”.
Corre pra banca!!

mncrft4

mncrft3

mncrft1

mncrft2

Badida.

Tem um cara que mora em São Manuel que é demais.
Atualizando hoje meu Behance, encontrei esse meu projeto que comecei no final do ano passado.
Preparei pra levar pro FIQ, mostrar na Rodada de Negócios o que eu tava produzindo de novo.

Mas esse projeto parou, apenas por enquanto, pois tenho outras prioridades agora.
Uma é “Desengano”, minha próxima HQ a ser lançada no FIQ de 2015. História que eu resolvi fazer e colocar por cima de todos os meus projetos por ter me apaixonado demais por ela.
A segunda coisa é um projeto que ainda não posso dizer muito a respeito que tô fazendo com mais dois amigos que conheci no FIQ e vai estar pronto para a Comic Con Experience no final do ano. Logo mais eu dou uma atualizada a respeito desse projeto.
E as outras milhões de coisas legais que tão aparecendo e me impossibilitando de me dedicar tanto a essa história.

Mas voltando a esse projeto parado(por enquanto):
Esse cara chama Adriano Cella e mora em São Manuel, é uma figura… Mas uma figuraça que não existe igual no mundo.
O apelido dele é Badida e o cara tem tanta história engraçada que dá pra fazer uns mil livros dele.
Ele tem um problema de fala… Troca algumas letras e inventa palavras. E isso é seu maior charme.

Por exemplo, C ele troca por T… Então Camilo é Tamilo.

Ao lado do meu pai, juntei as melhores histórias que realmente aconteceram com ele e ia fazer essa HQ.
Daí eu fiz as 4 primeiras páginas de introdução da história.

As histórias dele são tão sensacionais que é difícil acreditar que realmente existiu.

Essa mesmo por exemplo é inacreditável:

Badida01RGB

Badida02RGB

Badida03RGB

Badida04RGB

Comic Con Experience.

1530428_718087608209460_1901420587_n

Passei a semana todo fazendo um pouquinho dessa ilustração.
Pois tô cheio de coisa pra fazer e todo tempo que me esgotava do trampo eu parava e continuava o desenho… Botando as hachuras nos lugares, e os detalhes das cores.
Pois bem, acabou a semana e consegui a acabar a ilustração.

Que fiz por causa da Comic Con Experience que vai ter em São Paulo no final do ano.
Ahhhhhhh que legal né… Putz, finalmente São Paulo vai ter uma Comic Con com o nome Comic Con hehehe…

Os organizadores são todos muito competentes e com certeza darão conta do recado.
Em especial, o amigo Ivan Freitas da Costa que fez o livro Ícones dos Quadrinhos e um dos organizadores do FIQ-BH…
Tem mais o que dizer?? Não né… Só esperar por esse evento que vai entrar pra história… E eu quero fazer parte disso.
Vamos, né??

Essa ilustração eu fiz quando o Ivan me contou qual seria o nome da Comic Con… “Comic Con Experience” e me explicou todo o design do logo… Pô, foda… Na hora lembrei das ilustrações que o Moebius fez do “Jimi Hendrix – Are you experienced?”.

Como amo Moebius, resolvi juntar tudo e saiu isso.

🙂

ComicXP_CSolanoRGB

A original do Moebius:

hendrixMoebius

Beladona.

beladona150ppi

Mais uma coisa ótima que me aconteceu no FIQ… Conhecer Ana Recalde!

Eu conhecia a voz dela pelo Argcast, mas nunca tinha visto pessoalmente e puxa vida, a Aninha acabou se tornando uma das melhores amigas minha e da Larissa no FIQ…
Tanto que passamos muito tempo juntos, conversávamos e ríamos toda hora…

Começou com ela na primeira ou segunda noite do FIQ pegando emprestado do Alex Mir a minha HQ, começou a ler e gostou muito!
No dia seguinte ela apareceu pra conversar comigo e nos primeiros 5 minutos de conversa vendeu pra mim 5 Inspirações… Ela fez uma propaganda violenta da minha história e foi muito legal, o astral bem humorado dela contagiou todo mundo que tava ao redor da mesa…

O que eu não sabia é que ela é a pessoa que mais conhece Doctor Who no BRASIL! E termos achado alguém pra conversar sobre o Doctor foi muito legal, depois acabamos vendo que quase todo mundo ao nosso redor em BH também era fanático pela série, mas a Aninha é com certeza a maior fã…

Outra coisa que também não sabia é que a Aninha é escritora de quadrinhos e escreve uma ÓTIMA webcomic chamada Beladona… Lá no FIQ ela me mostrou umas páginas que fiquei de queixo caído, mas ainda não tinha lido. Voltando pra casa que consegui ler e vi o quanto essa moça é FODA… A HQ dela é demais, recomendo muito mesmo!!

Tenho encontrado tanta coisa boa por aí que tenho procurado recomendar tudo que acho que vale a pena… Porque tem muita merda por aí também, né??

Fiz essa arte da HQ dela e o link pra você ler é aqui no site Petisco.

Geronimo!

Camilelis.

violeiro_camilelis150ppi

Ai, ai… Como disse após a ida ao FIQ muita coisa mudou… para melhor…

Tenho me sentido cada dia mais estimulado para produzir, parece até que o meu desenho melhorou de ficar perto de tanta gente boa naqueles dias…

Uma das coisas boas que voltaram, foi a minha vontade de voltar a mexer com aquarela.
Claro que o estímulo maior foi por conta do Lelis e do Shiko.

Dois artistas fantásticos.

Daí eu acabo tentando encarnar esses caras para produzir alguma coisa na linha deles… Claro que fica tudo uma porcaria mas pelo menos tento.

E foi assim que nasceu esse violeiro.
Tentando buscar a essência do Lelis fiz essa cena toda singela…
Camilelis.
O Lelis tem uma brasilidade no traço e isso torna o seu desenho universal… Legal, né?

Tem o link dele aqui

Saiu esse vídeo dele recentemente que vale muito a pena dar uma olhada.