Space, the final frontier é um Pavor.

ChicoBent0

Uma das coisas que mais se destacam nos quadrinhos brasileiros hoje que eu tenho percebido (não só eu, todo mundo tá vendo isso) é o magnífico trabalho que o Sidney Gusman, editor da Turma da Mônica está fazendo.

Esse cara com certeza será citado como um dos divisores de águas na história dos quadrinhos brasileiros.
“Mas o que ele fez?”

Então, o Sidão convenceu o Mauricio de Sousa a deixar outros novos autores de quadrinhos pegarem seus personagens já consagrados e criar histórias e desenhar no seu próprio estilo.
Carta aberta para o artista.

Pô meu, no Brasil que estamos vivendo hoje onde temos que correr loucamente por qualquer coisa e a batalha sempre parece ser mais difícil, eis que surge um cara que QUER ver o trampo da nova galera e de uma maneira ou de outra formar um novo público para os quadrinhos.

São tantas coisas boas que ele tá contribuindo que vou me perder aqui.
O fato de mostrar para os fãs de Turma da Mônica novos artistas e os fazerem ficar conhecidos no Brasil inteiro é um ponto forte.
Mostrar novas formas de leituras, botar nas bancas Graphic Novels de personagens populares com certeza vai despertar uma nova curiosidade na cabeça de todo mundo. Vai criar um público para consumir esse tipo de história e vai facilitar a vida de todo mundo. Vai abrir a cabeça de algumas editoras para meter a cara com gente nova e com muita vontade de produzir.
E tá vendendo pra caralho. Isso que é mais foda. Tá vendendo TUDO!! Isso é muito bom.

Ah…Eu que não tô muito bom pra escrever hoje, mas só queria deixar aqui a minha admiração por esse cara.

Vamos lá, antes das Graphic MSP teve alguns livros onde vários artistas fizeram versões de vários personagens, muito bons por sinal, mas o que eu quero falar são das Graphic MSP.

A primeira foi o Astronauta, do Danilo Beyruth. PUTAQUEPARIU! Muito bom…o Danilo é foda, já conhecia o trampo dele antes mas imagino pra quem nunca tinha ouvido falar dele e viu na banca um personagem da Turma da Mônica completamente diferente e se encantou.
Pô, EUUUUUUU me encantei. Imagina só.

Depois veio Laços dos irmãos Cafaggi…Ah cara…que desenho fantástico, que história bacana…Ah…tudo muito bom.

Daê, después dessas duas obras fantásticas, chegou o Pavor Espaciar do Gustavo Duarte.
Do CHICO BENTO…

Pô…ANIMAL… Eu curti muito. Sei lá né, por ser do interior e de todos os personagens eu sempre fui mais com a cara do Chico Bento, acho que o que eu mais curtia era ele falar tudo errado. Muito expressivo esse “minino”.
Daí vem o Gustavo que também se formou na UNESP em Design e bota todas as influências e mensagens possíveis na trama como sempre fez em suas outras histórias e te leva pro interiorzão caipira cheio de “Alienija”.

Ele faz na HQ referências a Bauru também, o que é muito legal, são mensagens pra todo mundo e algumas especialmente pra rapaziada que vive em Bauru.
Pô, gostei demais.

Apenas UM adendo. Pra mim. O Gustavo esqueceu de colocar o que eu considero a melhor aparição Alien dos últimos tempos. O saudoso ET Bilu. Pô, faltou…hahahaha.
Mas na terceira vez que eu li Pavor Espaciar eu descobri coisas que não tinha visto nas duas anteriores, vai que o Bilu tá ali em algum lugar.

Dá licença que eu vou ler de novo.

Anúncios

Um comentário sobre “Space, the final frontier é um Pavor.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s