Síndrome.

~

Tem gente que não serve pra jogar bola, tem gente que não serve para cantar, tem calça que não serve na gente… Eu, além de todas as coisas anteriores, não sirvo pra sair de casa.

Eu sinto isso. Que eu tenho vontade de crescer nas coisas e de que acontecerão várias coisas legais comigo, mas lembro que lá fora é tenso e me fecho em casa.

É um lance meu esse, sempre fui mais caseiro mesmo, não sinto muita vontade de sair e sempre que saio fico meio desconfortável. Eu curto lugares fechados, lugares onde só fico com os amigos ou com a família ou com o amor.

Na boa, sou caipira demais, sinto que as coisas que chegam a mim me machucam de uma maneira que não era pra machucar… Chegam de uma maneira agressiva, na verdade sou eu que interpreto as coisas assim…

Devo ter a “síndrome do feto assustado”. Acabei de inventar isso, mas faz sentido.
Você tá lá quentinho, alimentado, com aquele soninho, numa paz de 9 meses até que você é agredido e expulsado do lugar seguro…com um único objetivo. Viver.

Ah… Vale a pena sair de casa sim…

Meu grande amigo Marco Alvares é um cara no qual gosto muito de sair, nas poucas vezes que saímos, eu, ele, a Lá, a Paula, o Vini e a Lia….
Daí sim viu, preciso agradecer esses bons amigos por me agüentar…Mas eles não aguentam, hehehe…

Vim falar do Marco pois ele fez um blog e agora o nego vai que vai…
Só clicar no nome dele…e também adicionei nos meus bons link aqui ao lado.

Rodela.

Dois novos desenhos arrancados do meu sketchbook, um é o Fin ,o outro é o início de uma brincadeira.
Seguinte:

A idéia foi juntar um grupo de amigos, no caso a tchurma do studio do Milton Nakata, e cada semana, cada pessoa, dá um tema. Dado o tema, resta rabiscar nos respectivos sketchs e serem apresentados… toda sexta-feira.

O primeiro tema quem deu foi o próprio Milton: Expressão facial.
Fiz o Rodela. Cara artista.

Agora o próximo tema quem deu foi a Letícia, filha do Milton.
Liga da justiça.

É isso.

Em nome da contradição.

Resolvi fazer agora, assim, do nada, na cara, um post…Ah que lindo…pois é…acabei de dizer que não faria e tô fazendo…
Por isso que eu digo…

Trocadilho.
Melhor coisa do mundo. Tanta coisa boa né…

Mas eu sinto que não tem nada mais gostoso pra exercitar a cabeça do que brincar com as palavras, com os sons delas, com as formas delas…

A palavra é importante demais pra mim, talvez pelo fato deu não saber lidar muito bem com ela…Eu a respeito por medo, ou coisa assim…Ou não.

Eu amo escrever, putz como gosto, às vezes mais até do que desenhar…Mas isso é uma coisa meio relativa, pois tem dia que curto mais coçar o sovaco do que desenhar, ou escrever, ou-ou-ouuuu…

Então, taí, pro mundo inteiro, um trocadilho em forma de desenho.Carreto,careta.

“Bróg qui num atualiza, num é notado” já dizia Einstein numa das passagens dele por São Manuel, já prevendo que no futuro haveria de existir uma caixa de luz na qual pessoas sem vida social colocariam suas observações pessoais, putaria e trocadilhos.